Arquivo da categoria: Segurança na Internet

Quando a Kaspersky faz seu papel de proteger as pessoas contra… o governo.

A troca de farpas entre EUA e Rússia é algo antigo que vem desde a Guerra Fria, em meados de 1960. Com o fim da Guerra, a URSS se desintegrou e surgiu a Rússia, que além do nome também mudou seu regime econômico para capitalista, uma medida que resultou num ensaio de conciliação entre os dois países. Mas nem isso foi suficiente para que os dois se dessem bem e a relação ficou ainda mais ríspida quando Vladimir Putin chegou ao Kremlin, ainda nos anos 2000.

A princípio os desentendimentos vinham com relação a posicionamentos em guerras. A Rússia foi contra a Guerra do Iraque enquanto os EUA apoiaram a Geórgia na invasão à Ossétia do Sul, um estado russo, apenas para exemplificar algumas das medidas que confirmam as desavenças. Antes apenas inimigos em confiltos geográficos, os dois países passaram a se enfrentar em outro tipo de guerra: a cibernética.

O primeiro grande embate envolvendo o cyber espaço foi após os vazamentos de Snowden. Mesmo o ex-agente da NSA ter feito um apelo para se refugiar no Brasil, a Rússia demonstrou interesse em recebê-lo, o que acabou até cancelando uma visita de Obama à Rússia.

Outro ponto de tensão foi depois de uma alegação ianque de que hackers russos teriam influenciado o resultado da eleição presidencial de 2016, resultando na vitória de Trump, que era de conhecimento ser uma pessoa próxima de Putin.

De acordo com os oficiais de inteligência dos EUA, hackers tiveram acesso aos e-mails de John Podesta, a pessoa à frente da campanha de Hillary Clinton, sendo esses e-mails publicados pelo Wikileaks, de Julian Assange, outro que não se dá muito bem com os ianques. A suspeita ocorre pelo fato de que Hillary e Putin não têm bom relacionamentos, além do fato de que Trump pudesse favorecer aos interesses russos.

Houve até uma especulação de que Snowden teria contribuído com o ataque, já que estava exilado na Rússia, porém o mesmo chegou a se posicionar sobre o caso, alegando inclusive que não tinha como os EUA provarem que a Rússia foi a responsável pela invasão. Ele relembrou inclusive o caso onde os EUA culparam a Coreía do Norte pela invasão à Sony sem ter provas contundentes disso.

Desde então os EUA vem tentando demonizar a Rússia e um recente episódio foi marcante por caracterizar isso. O alvo da vez foi a empresa de segurança Kaspersky Lab.

A famosa empresa que leva o nome de seu dono, Eugene Kaspersky é bastante conhecida como uma das maiores empresas do ramo de segurança e tem envolvimento em importantes casos como o estudo do Stuxnet. A empresa também é famosa por detectar e corrigir vulnerabilidades de sistemas, principalmente em sistemas Windows.

Com a revelação do Vault7 se tornou de conhecimento as ferramentas usadas pela CIA, algumas delas se aproveitavam de backdoors instalados pela própria CIA para se ter acesso às máquinas. Dentre essas vulnerabilidades estava uma denominada PsSetLoadImageNotifyRoutin, que previne inclusive ser detectada por antivírus e que a Microsoft se negou a lançar um patch de correção.

A Kaspersky Lab então fez sua parte e lançou a sua própria correção para o problema, o software Kaspersky Total Security, gerando um mal estar que culminou em uma investigação dos funcionários da Kaspersky nos EUA pelos Feds. Além da investigação, as empresas privadas foram instruídas a não usarem o software lançado pela Kaspersky sob argumento de não ser um programa confiável.

O que pesa também é o fato da empresa de segurança ter sua sede na Rússia, surgindo alegações de que ela esteja à serviço do país onde se encontra sua sede. Porém, pelo histórico dos países, principalmente pós eleição presidencial de 2016, o caso da Kaspersky vem sendo visto como mais um exemplo de demonização da Rússia.

A Rússia não é vista de bom grado por muitos países, principalmente pela censura à Internet, mas os EUA estão pagando o preço por estarem tentando sempre combater a Rússia sem se apoiar em fatos concretos. A guerra entre os dois não começou ontem e cada vez dá menos sinais de que eles possam chegar a um consenso, principalmente agora que estão se enfrentando no cyber espaço.

Deixando de lado a briga entre os dois países, o que pode-se observar é que a Kaspersky, que muitas vezes protegeu computadores pessoas de vírus, malwares e afins, dessa vez protegeu as pessoas de algo maior: espionagem de um governo.

Anúncios

A anti-ética do ataque cibernético a hospitais

Ataques cibernéticos estão numa crescente. O mundo está ficando cada vez mais conectado mas a preocupação com a segurança não vem crescendo na mesma proporção. Algo que dava se levar em conta quando atigimos a proporção de Smart Cities, que como já escrevi, devemos pensar se realmente estamos preparados para isso.

O maior perigo atualmente para a falta de conscientização em segurança digital é o Ransomware. O malware se aproveita da fragilidade de como os usuários podem se tornar presa fácil e criptografa os dados pedindo uma quantia de regaste para que as informações sejam devolvidas.

Às vezes se aproveitando de vulnerabilidades dos sistemas, outras vezes  do elo mais fraco da área de segurança da informação, que é o usuário. O Ransomware tem atacado de diversas formas ao longo do tempo como mostrado abaixo. A imagem completa pode ser vista aqui.

Ransomware

Apesar de também infectar usuários normais, normalmente o maior foco do malware são os ambientes corporativos. Isso porqueao sequestrar dados sensíveis, há a possibilidade de pedir uma quantia maior para devolva esses dados. Quanto maior a sensibilidade dos dados, maior o valor que pode ser cobrado por ele. Talvez por isso hospitais tenham se tornado alvos do malware.

Hospitais são considerados alvos perfeitos par a o Ransomware por possuirem informações críicas e informações atualizadas de registros de pacientes. Devido ao alto movimento e aos hospitais necessitarem dos registros dos pacientes para os atenderem, a continuidade do negócio acaba se tornando crítica. Por isso caso tenham seus dados sequestrados os hospitais acabam correndo contra o tempo e acabam cedendo para pagar o resgate.

Tivemos vários casos de hospitais que passaram por essa situação constrangedora. Nos Estados Unidos, o Hollywood Prebyterian Medical Center, da Califórnia, foi infectado e ficaram sem serviço por mais de uma semana até pagar um resgate equivalente a $17,000.  Já o Methodist Hospital, em Kentucky, ao ser infectado declarou “estado de emergência” e acabou restaurando o backup para poder voltar a operar. Houveram também casos mais graves como o do MedStar Health, em Washington DC, que opera 10 hospitais e mais de 250 ambulatórios, que foi infectado e não quis admitir, porém uma funcionária do hospital relatou que recebeu uma nota avisando que eles tinham 10 dias para pagar o equivalente a $19,000. Ou ainda o caso do Kansas Heart Hospital, que pagou a quantia mas foi extorquido a pagar mais.

No Reino Unido houve uma paralisão nacional do sistema hospitalar levando inclusive ao cancelamento de cirurgias.

A prática em si já é considerada anti-ética, mas o fato de alguns crackers decidirem tornar hospitais um alvo de extorsão mostra o quanto algumas pessoas são tem escrúpulos e decidem pôr em risco a saúde de pessoas inocentes apenas para conseguir dinheiro.

 

Twitter não faz parte do PRISM… mas tem acordos com a iniciativa privada

Com o programa PRISM ficou acordado para que algumas empresas enviassem os dados de seus usuários para a NSA, o órgão público responsável pela segurança nacional dos Estados Unidos. Dentre essas empresas estão Microsoft, Google, Facebook, Yahoo!, Apple, Youtube, AOL, Paltalk e Skype.

O que chama a atenção é a ausência do Twitter nessa listagem. A rede social, que em 2013, ano da revelação do programa de vigilância, atingiu a marca de 200 milhões de usuários, poderia ser considerada uma boa fonte de informação para o governo. Uma matéria do The Verge expõe alguns argumentos que possam justificar essa atitude por parte da empresa.

Primeiramente, a empresa se defende justificando que o Twitter ter um histórico de não cooperação com o governo por respeitar que a rede social seja um lugar com liberdade de expressão e neutralidade. De fato a empresa tem lutado contra as intimações sofridas pelo governo e possui uma baixo índice de atendimento a requerimento de informação. se comparado  às outras gigantes do setor.

Porém, a matéria do The Verge cita que o Twitter não possui muita informação relevantes de seus usuários, e que isso pode ser a causa do baixo número de requerimento de informações. Além disso, grande parte do que os usuários tweetam é público, o que a meu ver pode facilitar a coleta de dados com big data, por exemplo.

Essa idéia, aliás, fez com o que Twitter fizesse uma parceria com uma startup de Nova Iorque chamada Dataminr para desenvolver uma ferramenta de mesmo nome que usa algoritmos de aprendizagem de máquina para identificar notícias e alertar jornalistas.

O desenvolvimento da ferramenta teve como foco prover conteúdo para os jornalistas mas sua eficiência se destacou a ponto do FBI começar a usá-la para monitorar criminosos e grupos terroristas. Porém, para aumentar o confronto entre o Twitter e os órgãos do governo, a prática foi considerada ilegal pois o termo de serviço impede o uso da ferramenta para fins de espionagem.

A CIA chegou a ter acesso autorizado à ferramenta por investir na empresa In-Q-Tel, que investiu inicialmente no projeto do Dataminr e pôde usar o piloto do programa, porém não teve mais acesso à ferramenta com o término desse piloto.

Desde o seu lançamento, o Dataminr tem sido usado por alguns dos grandes veículos jornalísticos como CNN e New York Times. Por conta disso o diretor da NSA, John C. Inglis mostrou insatisfação pelo Twitter compartilhar seus dados com o setor privado mas recusar o setor público.

Apesar de todas as críticas à vigilância realizada pelos órgãos de inteligência dos EUA, informações pertencentes ao setor público devem obrigatoriamente ter transparência, já o setor privado não dá essa garantia.

Não se sabe exatamente a efetividade disso vindo de órgãos de inteligência por tratarem de tantas informações confidenciais, ainda mais pelo fato de PRISM ter sido realizado secretamente até Snowden ter decidido fazer essa revelação. Apesar da NSA ter decidido fazer um relatório de transparência, ainda não se exatamente a seriedade disso.

Não estou aqui defendendo a NSA e a CIA e sim questionando o Twitter se ele realmente zela tanto pela privacidade de seus usuários, disponibilizando os dados para outras empresas.

A vigilância aos cidadãos brasileiros partindo do próprio Estado

Vigilância é um tema que vem ganhando destaque no Brasil desde as revelações de Snowden. Após a publicação de documentos que mostravam o quanto o Brasil e outros países estavam sendo monitorados pelos Estados Unidos, houve um certo receio à respeito da polítca externa com o país ianque.

Porém, antes que a espionagem atingisse essa larga escala, os EUA se preocuparam primeiro em monitorar seus próprios cidadãos. Isso foi possível graças ao Ato Patriota assinado por George Bush logo após os ataques de 11/09. Após o ocorrido nessa data criou-se um clima de pânico generalizado e com esse decreto assinado, os órgão de segurança e inteligência no país estavam autorizados a vigiar seus cidadãos para garantir que outro ataque desse não se repetisse.

Não demorou para que o decreto tivesse um desvio de finalidade e passasse a investigar algumas pessoas mesmo que não houve nenhuma acusação de ato terrorista partindo delas, bastava que a pessoa fosse “suspeita” para ter suas atividades monitoradas.

Para “garantir a segurança” proporcionado pelo Ato Patriota, as agências de inteligência não se restringiram a monitorar seus próprios cidadãos e passaram a, sigilosamente, acompanhar as atividades dos líderes de outros países. Isso atingiu o Brasil e na época, sob governo de Dilma, a informação de que ela estava sendo espionada veio à tona e resultou até no cancelamento de uma viagem que estava agendada aos EUA.

Mesmo após o episódio e a demonstração de todo o incômodo  demonstrado por Dilma em relação a este, contraditoriamente ela sancionou uma lei anti-terrorista em março de 2016. O que surpreendeu foi por ter vindo de uma pessoa que, antes de ser presidente, lutou contra a ditadura militar no país, inclusive sendo acusada de terrorista.

A lei recebeu diversas críticas, principalmente pela falta de objetividade na classificação de “terrorista” proporcionada por esta lei. Houve um temor de que essa lei poderia ser usada contra movimentos sociais, que estavam se ploriferando na época.

A partir daí começou a se fazer um paralelo entre o que estava acontecendo no Brasil com o que levou à espionagem nos EUA. As semelhanças aumentaram quando houve o vazamento do Wikileaks dos e-mails da equipe Hacking Team, uma empresa italiana que prestava serviços a organizações governamentais para auxiliar na vigilância da população.

Dentre os e-mails vazadas, haviam conversas da equipe do Hacking Team com a Polícia Federal e o Exército brasileiros desde 2011. As entidades chegaram a se reunir com os italianos em 2012 para uma demonstração dos produtos da equipe hacker, mas após as reuniões não houve retorno por parte dos brasileiros. Em 2014 houveram novas reuniões, com novos produtos, e dessa vez as conversas evoluíram. A PF então, a partir de autorização judicial, começou a utilizar os produtos.

Em meio a grandes protestos que estavam acontecendo no país na época e o fato do país sediar uma Copa do Mundo naquele ano e uma Olimpíada dois anos mais tarde, geraram preocupação em relação à segurança. Primeiro pelo clima já hostil vindo dos próprios cidadãos, que reclamavam da má administração do dinheiro que estava sendo injetado para os eventos. Apesar dos problemas financeiros, o acordo firmado com o Hacking Team foi de R$ 25 mil por mês durante três meses. Segundo pela grande quantidade de turistas, de todo o mundo, que viriam ao país para esses eventos.

Já próximo das Olímpiadas, Dilma havia sido afastada para ser julgada meses depois sobre a perda de seu mandato. Michel Temer assume, à época, inteirinamente, e nomeia novos ministros. A partir de então começou um processo de militarização da ABIN, órgão que antes estava focado na defesa, agora passara a atacar com propaganda para criar medo na população sobre uma possível ameaça terrorista ao país.

A propaganda não caiu no gosto dos brasileiros, que passaram a ridicularizar a agência nas redes sociais. A imagem da agência só piorou quando, segundo eles, havia ameaça de ataque do Estado Islâmico no país, mesmo que o Brasil nunca tenha se metido ativamente na política externa como os países que sofrem ataques da entidade religiosa o fazem.

Mas a vigilância tupiniquim não parou por aí, recentemente foi publicado um relatório da EFF que foi obtido com exclusividade pela Agência Pública revelando como estava crescendo o processo de vigilância no Brasil. Dentre os vários pontos citados no relatório, destaque para a legislação brasileira sobre o assunto ser considerada fraca e a falta de transparência dos órgãos, mesmo sendo públicos.

O Brasil vem caminhando para a contramão do que se esperava após tomar conhecimento das revelações que abalaram o mundo. Enquanto o processo natural deveria ser aumentar a política de softwares livres e buscar proteção dos usuários na Internet, como procura buscar com o Marco Civil, o que se vê é justamente o contrário.

Nem vídeo games deixam de ser alvo de espionagem

Com toda essa jogatina nos EUA, em 2010 foi constatado que os cidadãos estado-unidenses jogam em média 13 horas por semana. Porém a tendência foi que esse número crescesse , pois essa pesquisa apenas contemplou jogos de PC e console e foi justamente a partir desse ano que começou a popularização dos smartphones.

O fato foi confirmado em uma pesquisa que constatou que as pessoas que residem nos EUA passam em média 2 horas e 38 minutos por dia em smartphones, o que corresponde a mais ou menos 19 horas por semana. Essa mesma pesquisa revelou que dentre o tempo em que as pessoas passam usando smartphones, a maior parte deles é jogando (32%), tempo maior até do que usando Facebook (18%).

Com esses dados em mente, não é difícil entender porque jogos eletrônicos passaram a ser considerados um cenário importante a ser espionado. Com isso, nossas horas de lazer passaram a ser alvo do big brother governamental.

Fato esse que foi comprovado dentre os documentos vazados por Snowden. Neles há a confirmação de que agentes estavam se infiltrando em jogos populares como World of Warcraft afim de observar o comportamento dos jogadores e coletar dados sobre eles. A “ameaça” foi até registrada oficialmente em um documento intitulado Exploiting Terrorist Use of Games & Virtual Environments.

Com a evolução de consoles, os mais populares hoje em dia (PlayStation, Xbox e Nintendo Wii) utilizam conexão com a internet para seus jogos.

O Xbox tem vários recursos que podem ser explorados para vigilância. A Microsoft apostou numa nova abordagem, através do Kinect, para, através de uma câmera, captar os movimentos das pessoas e reproduzir esse movimento nos jogos, substituindo o joystick. Além disso, há vários funcionalidades que utilizam comandos de voz.

Quando membros do ISIS atacaram Paris em novembro de 2015, houve uma suspeita de que eles tenham usado o PlayStation Network (PSN) para combinar o ataque. O chat do PlayStation 4 possui criptografia e é difícil de ter acesso às informações, até mesmo para a NSA.

Além de jogos de PC e console, um jogo que fez enorme sucesso assim que começaram a surgir os jogos para smartphone foi Angry Birds. Esse com certeza não poderia estar de fora dos planos de espionagem da NSA. No momento em que um aplicativo de celular é baixado, tanto no Android quanto no iOS, há uma advertência de quais informações do celular serão compartilhadas e quais autorizações no sistema o aplicativo poderá fazer mas a ânsia em desfrutar do jogo muitas vezes faz o usuário não se atentar a isso.

Os dados compartilhados no jogo eram direcionados para propagandas, de onde a Rovio, empresa fundadora do jogo, levantava seus fundos. A agência de espionagem se aproveitou disso para armazenar informação dos usuários que jogavam Angry Birds, que não eram poucos. As informações eram coletadas a partir das propagandas que apareciam durante o jogo. A Rovio porém não gostou dessa história e reconheceu que iria reavaliar seu modelo de propaganda. Outro jogo popular que não escapou de ter os dados enviados para propagandas no jogo cair nas mãos da NSA foi Candy Crush.

mad-magazine-angry-birds-nsa-edition_52e802f83da6f5-91813125
Capa da MAD em alusão à espionagem da NSA ao jogo Angry Birds. 
Fonte: http://www.madmagazine.com/blog/2014/01/28/angry-birds-nsa-edition

Mas o caso mais recente de espionagem em jogos eletrônicos é com a febre do momento: Pokémon Go. Já é de conhecimento a história por traz da empresa responsável pelo jogo. Em resumo, John Hanke trabalhava em relações no exterior para o governo dos EUA e fundou uma empresa em 2001 que desenvolveu um produto chamado Earth, que foi comprado pelo Google em 2004 e renomeado de Google Earth. Em 2010 John fundou a Niantic dentro do Google e em 2015 a empresa passou a não fazer mais parte da Google. Foi quando foi desenvolvido o Pokémon Go.

O aplicativo requer várias permissões por parte do usuário, que no fim das contas acaba dando acesso total à sua conta de e-mail para poder jogar. A empresa até reconheceu que requisita mais permissões do que deveria e iria corrigir isso. Apenas um “pequeno engano”. Até mesmo já foram feitos estudos de análise forense no aplicativo e algumas ferramentas já conhecidas da área foram atualizados para contemplar o aplicativo.

Jogos eletrônicos, antes considerados apenas como lazer, tem evoluído muito e se tornou mais uma forma de comprometer a privacidade das pessoas. Além de redes sociais e chats também não estamos seguros com simples jogos. Em tempo, ainda possuo um console de Super Nintendo então não tenho esse tipo de preocupação enquanto jogo meu Super Mario World.

Como um grampo foi determinante na licitação do SIVAM

Com o objetivo de prover uma infraestrutura que fosse responsável pela vigilância e análise de todo o espaço, tanto aéreo quanto terrestre, foi desenvolvido o Sistema de Vigilância da Amazônia (Sivam). O projeto inicialmente foi apresentado em setembro de 1990 para o então presidente Collor tendo como embasamento para sua implementação a preservação do meio ambiente, combate ao narcotráfico, fiscalização de terras indígenas, entre outras atividades que fossem de responsabilidade do governo. Em resumo a vigilância seria para, além de combater os ilícitos, favorecerem a população local e a preservação ambiental.

Ao ser entregue o projeto para Collor, ficou determinado que as responsabilidades do projeto deveriam ser distribuídas, ficando definido que o Ministério da Aeronáutica seria o gestor do Sivam. O projeto então teve o envolvimento de grandes dezenas de técnicos trabalhando nele, até ser apresentado na conferência Rio 92, tornando-se de conhecimento público.

No entanto, seria necessário que uma empresa brasileira fosse responsável pelo desenvolvimento de um software gerenciador e pela intermediação da relação entre governo brasileiro e empresa brasileira que fosse implantá-lo. Assim, em junho de 93 o então presidente Itamar Franco, seguindo a recomendação do SAE e do Conselho de Defesa, determinou que não haveria licitação pela quantidade de informação sigilosa que seria envolvida no projeto. A dispensa de licitação para o projeto tinha amparo do artigo 24, inciso IX da lei 8.666, caracterizando então sua legalidade.

Mas Itamar determinou através do Decreto nº 892 de 12 de agosto de 1993 que fossem feitas consultas para se obter os melhores preços e as melhores condições técnicas para seleção das empresas. Feito isso foi escolhida a empresa Esca.

Também foi dispensada a licitação para contratar a empresa responsável por fornecer e instalar os equipamentos do Sivam, devido ao caráter sigiloso das informações. Então, em setembro de 93, o Ministério das Relações Exteriores solicitou propostas e orçamentos para 16 embaixadas. Em fevereiro de 94 já haviam onze propostas envolvendo oitenta empresas nacionais e estrangeiras, sendo que em abril sete propostas foram selecionadas por incluírem ofertas de financiamento: Dasa/Alenia (Alemanha/Itália), Raytheon (EUA), Thomson/Alcatel (França), Unisys (EUA), Fokker, IAI/Eletronic (Israel) e Sierra Tecnology (EUA).

Após a análise de todas as propostas, a fase final do processo de escolha ficou entre a francesa Thomson e americana Raytheon. Em julho de 1994 foi decidido então que o consórcio da Raytheon ganhou o contrato. A justificativa para determinação do resultado foi a proposta de financiamento, pois a Thomson exigia emissão de título do governo, o que poderia comprometer o projeto, segundo o governo brasileiro.

Até aí parece ser um processo de licitação normal, e foi o que pareceu por alguns anos até se ter conhecimento de algo estarrecedor. Em 1988 tornou-se de conhecimento público o sistema americano chamado Echelon, utilizado pela NSA para fazer monitoramentos ilegais, e que veio à tona por meio de uma ex-funcionária da empresa (já viram essa história antes?).

Em 1999 foi feito um relatório de autoria do jornalista escocês Duncan Campbell mostrando que o sistema, antes usado na Guerra Fria, estava agora sendo usado para fatores econômicos e espionagem comercial. Ainda segundo esse relatório, foi mostrado que o Echelon estava sendo usado para monitorar conversas telefônicas entre funcionários da Thomson e o governo brasileiro realizadas entre 94 e 95. E ainda mais: as escutas ilegais foram repassadas para a Raytheon, para que esta pudesse fazer uma oferta melhor que a da concorrente na licitação da Sivam.

Na época em que tomou conhecimento do ocorrido, o presidente do Brasil era FHC e o mesmo descartou qualquer possibilidade de rever o contrato ou de investigar a situação sob argumento de que o projeto já estava bem encaminhado. Chegou inclusive a rebater as críticas feitas em relação ao episódio em pleno discurso de inauguração.

Em 95 ainda houve a tentativa de se instalar uma CPI para investigar a situação. Após muito esforço, conseguiram instalar a CPI em 2001 (seis anos depois!), mas pelo tempo decorrido acabou não funcionando de forma adequada, tendo inclusive sessões que não chegaram a ser realizadas por não ter o quórum mínimo. A CPI é um capítulo à parte e um pouco sobre ela pode ser vista aqui.

Com certeza um episódio que ficou marcado na história brasileira, apesar de infelizmente não ser muito comentado hoje em dia, principalmente por envolver espionagem por parte da NSA, algo que aconteceu recentemente em nossa história. Recomendo fortemente ao leitor que procure se informar sobre esse caso. Seguem algumas referências:

[1] Artigo com história detalhada do processo de licitação do Sivam: http://www.fatece.edu.br/arquivos/arquivos%20revistas/perspectiva/volume2/5.pdf

[2] Artigo de Duncan Campbell sobre o Echelon: http://www.duncancampbell.org/content/echelon

Revisado em 09/11/2017